Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Missão para o Polo de Inovação do IFF - CPI/DAE/INOVA

  • Publicado: Sexta, 13 de Setembro de 2019, 18h46
  • Última atualização em Sexta, 13 de Setembro de 2019, 18h46
  • Acessos: 105

Os Professores Doutores e Pesquisadores Ademir Geraldo Cavallari Costalonga e André Luis de Castro Peixoto do Câmpus Capivari participaram da missão com o objetivo de conhecer o sistema de Codigestão Anaeróbica Modular implantado em agroindústria da região.

 

 

O Codigestor Anaeróbico Modular, projeto do Polo de Inovação do Instituto Federal Fluminense, está despertando interesse e atraindo a atenção de pesquisadores e instituições interessadas em conhecer o funcionamento do sistema. O Diretor da Inova, Agência de Inovação do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), Alexandre Chahad, e seis pesquisadores dos campi Capivari, Matão, Suzano e São Paulo estiveram no IFF para uma visita técnica. O projeto é desenvolvido em cooperação com o professor Adriano Ferrarez, do campus Itaperuna. A visita ocorreu nos dias 05 e 06 de setembro de 2019.

A missão, organizada pela Agência Inova do IFSP, teve como objetivo mostrar pesquisas aplicadas desenvolvidas no Polo de Inovação do IFF em energias renováveis, reaproveitamento de resíduos e uso racional dos recursos hídricos, de forma a fomentar pesquisas aplicadas nestas áreas nos campi do Instituto paulista. O grupo conheceu o Polo de Inovação e seus projetos e também foi à Laticínios Guarujá, onde está em funcionamento o Codigestor Anaeróbico Modular. 


O sistema de Codigestão Anaeróbica Modular funciona desde 2017, em parceria com a Laticínios Guarujá, localizada em Dores de Macabu, distrito de Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro. No primeiro dia da visita, os pesquisadores estiveram na agroindústria e puderam verificar in loco o processo de funcionamento do Codigestor, além de ouvir as experiências da equipe da empresa. No dia seguinte, o grupo esteve no Polo de Inovação e conheceu os outros projetos em andamento, além de tirar dúvidas e discutir o modelo de gestão empregado.


Por meio do projeto, a agroindústria faz reaproveitamento de resíduos derivados da produção de queijos e também dos dejetos de suínos para produção de gás e adubos por meio do processo de biodigestão desse material, de forma que gere um biogás e um biofertilizante. O objetivo deste trabalho é a sustentabilidade, ou seja, a empresa produz resíduos, que serão reaproveitados, gerando adubo e energia, que novamente serão utilizados produzindo novos resíduos, sendo um ciclo que promove total reaproveitamento.

“O Codigestor agregou mais sustentabilidade à agroindústria, proporcionou o tratamento dos resíduos, a geração de energia limpa, a partir do biogás, e também um biofertilizante com alto valor agregado, isto é, o que antes era lixo e problema, tornou-se solução e oportunidade”, destaca a Mestre em Engenharia Ambiental e pesquisadora do projeto, Letícia Ribeiro Machado, que desenvolveu sua tese de Mestrado a respeito desse sistema.


O Engenheiro Agrícola e doutor nas áreas de Energia na Agricultura e Engenharia Agroalimentar e de Biossistemas, professor do IFF Campus Itaperuna e coordenador do projeto, Adriano Ferrarez, tem desenvolvido estudos nas áreas de energias renováveis e planejamento energético com o uso de biogás/biometano como fonte energética. “Aplicamos, no decorrer do trabalho, a tríade Ensino, Pesquisa e Extensão, que é guia da atuação do Instituto Federal Fluminense. Ao atender a demanda de uma pequena agroindústria, o projeto Codigestor Anaeróbico Modular mostrou o papel estratégico do Polo de Inovação no desenvolvimento da região”, afirma.


De perfil familiar, com 25 anos de funcionamento, a Agroindústria Guarujá fabrica queijos com mercado em Campos, Região dos Lagos, Niterói e Rio de Janeiro. São três funcionários e uma produção de 1.500 litros de leite por dia, utilizados na fabricação de queijo minas curado, minas frescal, além de manteiga e ricota fresca. A propriedade conta com criação não só de bovinos, mas também de suínos e aves e produção de derivados de frutas, como goiabada.
"Esta foi uma das melhores experiências. Foi enriquecedor aprender e discutir com pessoas que querem fazer a diferença na Rede Federal". André Luis Peixoto, IFSP Campus Capivari.
Para o sócio gerente da Laticínios Guarujá, Silvio Roberto Maia Tavares, os resultados alcançados são frutos de atitudes proativas para transformar a sustentabilidade em algo prático, não distante da realidade e, assim, contribuir com o meio ambiente e com a vida como um todo. “A resiliência e determinação nos impulsionam a atingir metas, mas sem o apoio da academia, com sua ciência e tecnologia, não conseguiríamos realizar tamanho sonho”, comemora.


Ao fim da visita, o grupo do IFSP era só elogios para o trabalho desenvolvido pelo Polo de Inovação do IFF: “a visita técnica no Polo de Inovação do IFF nos proporcionou muitos conhecimentos técnicos, novas tecnologias, vários cases de sucesso dos cursos já implantados e ainda em implantação. Foi uma ótima experiência em que pudemos conhecer e ver de perto as inovações e soluções implantadas e conhecer na prática a rotina, os laboratórios, equipamentos, processos, etc. Nos fez sentir muito motivados, ter novas ideias e enxergar novas possibilidades”, comenta a professora do IFSP Campus Matão, Márcia Luzia Rizzatto.


Professor do Campus Capivari do IFSP, André Luis Peixoto descreveu a missão do IFSP no Polo de Inovação como “uma das melhores experiências. Foi enriquecedor aprender e discutir com pessoas que querem fazer a diferença na Rede Federal. São jovens cientistas trabalhando com inovação, agregando valor a pequenos produtores rurais, a produtores de camarão, além da criação de dispositivos para estações de tratamento de água, dentre inúmeros outros trabalhos. Agora é buscar desenvolver projetos que agreguem valor no entorno do Campus Capivari”.


“Esta interação é muito importante para nós, primeiro porque nos sentimos orgulhosos de ter mais essa oportunidade de mostrar o trabalho que o Instituto tem feito por meio do Polo em estreita colaboração com os campi. Segundo porque é também uma chance de aprender com os colegas de outros Institutos, de saber como as ações na área de Sustentabilidade são desenvolvidas na Rede Federal de Ensino e discutir possíveis parcerias, potencializando-as”, analisa o diretor do Polo de Inovação IFF, Rogério Atem de Carvalho.

registrado em:
Fim do conteúdo da página